Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube Siga-nos no Google+
17 maio 2010

Um grupo de astrónomos liderado por Taotao Fang (Dep. de Física e Astronomia, Universidade da California) juntou várias observações, levadas a cabo pelos telescópios espaciais Chandra (NASA) e XMM-Newton (ESA) e terá detectado, pela primeira vez, onde está a matéria “normal” em falta.

Esta matéria em falta chama-se WHIM (sigla inglesa para Warm-Hot Intergalactic Medium, ou meio intergaláctico quente), e será uma teia de gás quente residual da formação das galáxias, mais tarde enriquecido por elementos expelidos por elas.

Mas, segundo Fang, “Detectar o WHIM é extremamente difícil porque é muito difuso, e torna-se muito fácil de ver através dele”. A densidade média do WHIM é de apenas 6 protões por metro cúbico. Por comparação, o espaço interplanetário na vizinhança da Terra tem uma densidade média de 5 protões por metro cúbico.

Além disso, as temperaturas associadas ao WHIM estão entre um e dez milhões de graus, o que o torna detectável apenas nos raios X. Mas com uma densidade tão baixa, a emissão do WHIM é demasiado ténue para ser detectada.

Para detectar esta teia, observou-se então a emissão de raios X extremamente intensa de de um “blazar” (o núcleo de uma galáxia activa), a passar por uma zona conhecida por parede do Escultor, um enxame de galáxias a cerca de 400 milhões de anos-luz da Via Láctea. Ao atravessar o WHIM contido nesta parede, a emissão do blazar é ligeiramente absorvida, mas o suficiente para ser detectada (ver gráfico na fig.1).

Não confundir matéria escura com o WHIM, já que esta é matéria luminosa normal (que compõe estrelas e planetas), detectável directamente, enquanto que a matéria escura é impossível de observar directamente. Só podemos detectar a presença de matéria escura através da sua influência gravitacional sobre o meio que a rodeia (por exemplo, através do fenómeno de lentes gravitacionais).

Mais informações:
Comunicado de imprensa Chandra
Artigo científico no “The Astrophysical Journal”

1. Imagem artística do WHIM, na parede do Escultor (NASA/CXC/M.Weiss/U. California Irvine/T. Fang et al.) 2. Posição da parede do Escultor (NASA/CXC/Univ. of California Irvine/T. Fang et al.)