Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

On the contribution of sunspots to the observed frequency shifts of solar acoustic modes

A. R. G. Santos, M. S. Cunha, P. P. Avelino, W. J. Chaplin, T. L. Campante

Resumo
Activity-related variations in the solar oscillation properties have been known for 30 years. However, the relative importance of the different contributions to the observed variations is not yet fully understood. Our goal is to estimate the relative contribution from sunspots to the observed activity-related variations in the frequencies of the acoustic modes. We use a variational principle to relate the phase differences induced by sunspots on the acoustic waves to the corresponding changes in the frequencies of the global acoustic oscillations. From the sunspot properties (area and latitude as a function of time), we are able to estimate the spot-induced frequency shifts. These are then combined with a smooth frequency shift component, associated with long-term solar-cycle variations, and the results compared with the frequency shifts derived from the Global Oscillation Network Group data. The result of this comparison is consistent with a sunspot contribution to the observed frequency shifts of roughly 30 per cent, with the remaining 70 per cent resulting mostly from a global, non-stochastic variation, possibly related to the changes in the overall magnetic field. Moreover, analysis of the residuals obtained after the subtraction of the model frequency shifts from the observations indicates the presence of a 1.5-yr periodicity in the data in phase with the quasi-biennial variations reported in the literature.

Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
Volume 461, Página 224
junho 2016

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA