Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Molecular hydrogen jets and outflows in the Serpens south filamentary cloud

G. D. C. Teixeira, M. S. N. Kumar, R. Bachiller, J. M. C. Grave

Resumo
Aims. To map the jets and outflows from the Serpens South star forming region and find an empirical relationship between the magnetic field and outflow orientation.
Methods. Near-infrared H2 ν=1-0 S(1) 2.122µm -line imaging of the ~30’-long filamentary shaped Serpens South star forming region was carried out. Ks broadband imaging of the same region was used for continuum subraction. Candidate driving sources of the mapped jets/outflows are identified from the list of known protostars and young stars in this region, which was derived from studies using recent Spitzer and Herschel telescope observations.
Results. 14 Molecular Hydrogen emission-line objects(MHOs) are identified using our continuum-subtracted images. They are found to constitute ten individual flows. Out of these, nine flows are located in the lower-half(southern) part of the Serpens South filament, and one flow is located at the northern tip of the filament. Four flows are driven by well-identified Class 0 protostars, while the remaining six flows are driven by candidate protostars mostly in the Class I stage, based on the Spitzer and Herschel observations. The orientation of the outflows is systematically perpendicular to the direction of the near-infrared polarization vector, recently published in the literature. No significant correlation was observed between the orientation of the flows and the axis of the filamentary cloud.

Palavras chave
stars: formation - open clusters and associations: individual: Serpens South - infrared: stars - ISM: clouds - ISM: jets and outflows

Notas
Figure 5 is available in electronic form at http://www.aanda.org

Astronomy and Astrophysics
Volume 543, Página A51_1
julho 2012

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA