Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Localized Starbursts in Dwarf Galaxies Produced by the Impact of Low-metallicity Cosmic Gas Clouds

J. Sánchez Almeida, B. G. Elmegreen, C. Muñoz-Tuñón, D. M. Elmegreen, E. Pérez, R. O. Amorín Barbieri, M. E. Filho, Y. Ascasibar, P. Papaderos, J. M. Vílchez

Resumo
Models of galaxy formation predict that gas accretion from the cosmic web is a primary driver of star formation over cosmic history. Except in very dense environments where galaxy mergers are also important, model galaxies feed from cold streams of gas from the web that penetrate their dark matter halos. Although these predictions are unambiguous, the observational support has been indirect so far. Here, we report spectroscopic evidence for this process in extremely metal-poor galaxies (XMPs) of the local universe, taking the form of localized starbursts associated with gas having low metallicity. Detailed abundance analyses based on Gran Telescopio Canarias optical spectra of 10 XMPs show that the galaxy hosts have metallicities around 60% solar, on average, while the large star-forming regions that dominate their integrated light have low metallicities of some 6% solar. Because gas mixes azimuthally in a rotation timescale (a few hundred Myr), the observed metallicity inhomogeneities are only possible if the metal-poor gas fell onto the disk recently. We analyze several possibilities for the origin of the metal-poor gas, favoring the metal-poor gas infall predicted by numerical models. If this interpretation is correct, XMPs trace the cosmic web gas in their surroundings, making them probes to examine its properties.

Palavras chave
galaxies: abundances – galaxies: dwarf – galaxies: evolution – galaxies: formation – galaxies: structure – intergalactic medium

The Astrophysical Journal Letters
Volume 810, Página L15
setembro 2015

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA