Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

CNO behaviour in planet-harbouring stars. I. Nitrogen abundances in stars with planets

L. Suárez-Andrés, G. Israelian, J. I. González Hernández, V. Zh. Adibekyan, E. Delgado Mena, N. C. Santos, S. G. Sousa

Resumo
Context. Carbon, nitrogen, and oxygen (CNO) are key elements in stellar formation and evolution, and their abundances should also have a significant impact on planetary formation and evolution.
Aims: We present a detailed spectroscopic analysis of 74 solar-type stars, 42 of which are known to harbour planets. We determine the nitrogen abundances of these stars and investigate a possible connection between N and the presence of planetary companions.
Methods: We used VLT/UVES to obtain high-resolution near-UV spectra of our targets. Spectral synthesis of the NH band at 3360 Å was performed with the spectral synthesis codes MOOG and FITTING.
Results: We identify several spectral windows from which accurate N abundance can be obtained. Nitrogen distributions for stars with and without planets show that planet hosts are nitrogen-rich when compared to single stars. However, given the linear trend between [N/Fe] vs. [Fe/H], this fact can be explained as being due to the metal-rich nature of planet hosts.
Conclusions: We conclude that reliable N abundances can be derived for metal-rich solar type stars from the near UV molecular band at 3360 Å. We confirm a linear trend between [N/Fe] and metallicity expected from standard models of Galactic chemical evolution.

Palavras chave
stars: abundances, stars: chemically peculiar, planetary systems

Astronomy and Astrophysics
Volume 591
junho 2016

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA