Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

INGRID: A near-infrared camera for the William Herschel Telescope

C. Packham, K. L. Thomson, A. Zurita, J. H. Knapen, I. Smail, R. Greimel, D. F. M. Folha, C. Benn, A. Humphrey, R. Rutten, D. Ciardi, M. Bec, R. Bingham, S. Craig, K. Dee, D. Ives, P. Jolley, P. Moore, M. Pi i Puig, S. Rees, G. Talbot, S. Worswick

Resumo
Rapid developments in near-infrared (NIR) arrays and adaptive optics systems have driven the development of wide-field and high-spatial-resolution, high-optical-quality NIR imagers and spectrographs, providing an unparalleled boost to NIR observations. Based around a 1024 × 1024 pixel2 Hawaii-1 array, the Isaac Newton Group Red Imaging Device (INGRID) imager provides a field of view 〉16 arcmin2 (at the Cassegrain focus) whilst Nyquist sampling the median summer seeing disc. When used in conjunction with the Nasmyth Adaptive Optics for Multi-Purpose Instrumentation (NAOMI) system and a second set of collimation optics, a high spatial resolution mode (0.04 arcsec pixel-1) is offered, providing near-diffraction-limited imaging. INGRID uses an all-refractive design and employs a cold stop to reduce thermal background emission, critical to the performance as it is used on the non-infrared optimized 4.2-m William Herschel Telescope (WHT). We discuss the design and operation of INGRID and illustrate its performance by discussing commissioning observations of the cluster Abell 2218 and the spiral galaxies NGC 3351 and 1530.

Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
Volume 345, Página 395
outubro 2003

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA