Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Further clues to the nature of composite LINER/H II galaxies

M. E. Filho, F. Fraternali, S. Markoff, N. M. Nagar, P. D. Barthel, L. C. Ho, F. Yuan

Resumo
We have analyzed new, archival and published high resolution radio and X-ray observations of a sample of composite LINER/H II galaxies known to exhibit AGN-like properties. Five of the 16 AGN candidates have milliarcsecond-scale detections and are found to display a compact, flat spectrum, high brightness temperature radio core, four of which also exhibit extended radio emission. Five of the eight AGN candidates with available high resolution X-ray observations were found to possess a hard X-ray nuclear source, two of which have no milliarcsecond radio detection. The combined high resolution radio and X-ray data yield a 50% detection rate of low luminosity AGN among the AGN candidates, which translates into a 12% detection rate for the entire composite LINER/H II sample. In the sources where the AGN has been unambiguously detected, the ionizing power of the AGN is not sufficient to generate the observed emission lines, unless the hard X-rays are heavily obscured. We attempt to apply a canonical advection-dominated accretion flow (ADAF) and jet model to the sample sources in order to explain the observed radio and X-ray emission. While ADAFs may be responsible for the observed emission in submillijansky radio cores like NGC 7331, they do not appear consistent with the radio emission observed in the milliarcsecond-scale radio detected cores; the latter sources are more likely to have an energetically important contribution from a radio-emitting jet.

Astronomy and Astrophysics
Volume 418, Página 429
maio 2004

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA