Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Spectroscopic properties of young stellar objects in the Lupus molecular clouds

A. Mortier, I. Oliveira, E. van Dishoeck

Resumo
The results of an optical spectroscopic survey of a sample of young stellar objects (YSOs) and pre-main sequence (PMS) stars in the Lupus Clouds are presented. 92 objects were observed with VLT/FLAMES. All of those objects show IR excess as discovered by the Spitzer Legacy Program “From Molecular Cores to Planet-Forming Disks” (c2d). After reduction, 54 spectra with good signal-to-noise ratio are spectrally classified. Effective temperatures and luminosities are derived for these objects, and used to construct H-R diagrams for the population. The sample consists mostly of M-type stars, with 10% K-type stars. Individual ages and masses are inferred for the objects according to theoretical evolutionary models. The mean population age is found to be between 3.6 and 4.4 Myr, depending on the model, while the mean mass is found to be ∼0.3 M for either model. Together with literature data, the distribution of spectral types is found to be similar to that in Chamaeleon I and IC348. The Hα line in emission, found in 49% of the sample, is used to distinguish between classical and weak-line T Tauri stars. 56% of the objects show Hα in emission and are accreting T Tauri stars. Mass accretion rates between 10-8 and 10-11 Myr-1 are determined from the full width at 10% of the Ha peak intensity. These mass accretion rates are, within a large scatter, consistent with the MacM2 relation found in the literature.

Palavras chave
Hertzsprung-Russell and colour-magnitude diagrams - stars: pre-main-sequence - ISM: individual objects: Lupus

Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
Volume 418, Página 1194
dezembro 2011

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA