Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Ultra-luminous X-Ray Sources in the Most Metal Poor Galaxies

A. H. Prestwich, M. Tsantaki, A. Zezas, F. Jackson, T. P. Roberts, R. Foltz, T. Linden, V. Kalogera

Resumo
Ultra-luminous X-ray sources (ULX) are X-ray binaries with Lx >1039 erg s–1. The most spectacular examples of ULX occur in starburst galaxies and are now understood to be young, luminous high mass X-ray binaries. The conditions under which ULX form are poorly understood, but recent evidence suggests they may be more common in low metallicity systems. Here we investigate the hypothesis that ULX form preferentially in low metallicity galaxies by searching for ULX in a sample of extremely metal poor galaxies (XMPG) observed with the Chandra X-Ray Observatory. XMPG are defined as galaxies with log(O/H) + 12 < 7.65, or less than 5% solar. These are the most metal-deficient galaxies known, and a logical place to find ULX if they favor metal poor systems. We compare the number of ULX (corrected for background contamination) per unit of star formation (N ULX(SFR)) in the XMPG sample with N ULX(SFR) in a comparison sample of galaxies with higher metallicities taken from the Spitzer Infrared Galaxy Sample. We find that ULX occur preferentially in the metal poor sample with a formal statistical significance of 2.3σ. We do not see strong evidence for a trend in the formation of ULX in the high metallicity sample: above 12+log(O/H) ~ 8.0 the efficiency of ULX production appears to be flat. The effect we see is strongest in the lowest metallicity bin. We discuss briefly the implications of these results for the formation of black holes in low metallicity gas.

Palavras chave
stars: formation - X-rays: binaries

The Astrophysical Journal
Volume 769, Página 92_1
junho 2013

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA