Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Bulgeless Galaxies at Intermediate Redshift: Sample Selection, Colour Properties, and the Existence of Powerful AGN

L. Bizzocchi, M. E. Filho, E. Leonardo, M. Grossi, R. L. Griffith, J. Afonso, C. S. Fernandes, J. Retrê, S. Antón, E. F. Bell, J. Brinchmann, B. Henriques, C. Lobo, H. Messias

Resumo
We present a catalog of bulgeless galaxies, which includes 19,225 objects selected in four of the deepest, largest multi-wavelength data sets available—COSMOS, AEGIS, GEMS, and GOODS—at intermediate redshift (0.4 ≤ z ≤ 1.0). The morphological classification was provided by the Advanced Camera for Surveys General Catalog (ACS-GC), which used publicly available data obtained with the ACS instrument on the Hubble Space Telescope. Rest-frame photometric quantities were derived using kcorrect. We analyze the properties of the sample and the evolution of pure-disk systems with redshift. Very massive [log (M/M) > 10.5] bulgeless galaxies contribute to ~30% of the total galaxy population number density at z ≥ 0.7, but their number density drops substantially with decreasing redshift. We show that only a negligible fraction of pure disks appear to be quiescent systems, and red sequence bulgeless galaxies show indications of dust-obscured star formation. X-ray catalogs were used to search for X-ray emission within our sample. After visual inspection and detailed parametric morphological fitting we identify 30 active galactic nuclei (AGNs) that reside in galaxies without a classical bulge. The finding of such peculiar objects at intermediate redshift shows that while AGN growth in merger-free systems is a rare event (0.2% AGN hosts in this sample of bulgeless galaxies), it can indeed happen relatively early in the history of the universe.

Palavras chave
catalogs – galaxies: evolution – galaxies: structure – X-rays: galaxies

The Astrophysical Journal
Volume 782, Página 22_1
fevereiro 2014

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA