Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

The ionizing sources of luminous compact HII regions in the RCW106 and RCW122 clouds

J. M. C. Grave, M. S. N. Kumar, D. K. Ojha, G. D. C. Teixeira, G. Pace

Resumo
Context. Given the rarity of young O star candidates, compact HII regions embedded in dense molecular cores continue to serve as potential sites for peering into the details of high-mass star formation.
Aims. We uncover the ionizing sources of the most luminous and compact HII regions embedded in the RCW106 and RCW122 giant molecular clouds, known to be relatively nearby (2-4 kpc) and isolated, thus providing an opportunity to examine spatial scales of a few hundred to a thousand AU in size.
Methods. High spatial resolution (0.3''), mid-infrared spectra (R = 350), including the fine structure lines [ArIII] and [NeII], were obtained for four luminous compact HII regions embedded inside the dense cores within the RCW106 and RCW122 molecular cloud complexes. At this resolution, these targets reveal point-like sources surrounded by the nebulosity of different morphologies, thereby uncovering details at spatial dimensions of <1000?AU. The point-like sources display [ArIII] and [NeII] lines – the ratios of which are used to estimate the effective temperature of the embedded sources.
Results. The derived temperatures are indicative of mid-late O type objects for all the sources with [ArIII] emission. Previously known characteristics of these targets from the literature, including evidence of disk or accretion, suggest that the identified sources may grow more to become early-type O stars by the end of the star formation process.

Palavras chave
stars: formation – HII regions – infrared: stars

Astronomy and Astrophysics
Volume 563, Página A123_1
março 2014

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA