Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube Siga-nos no Google+
8 março 2010

Os resultados agora publicados pelo GPEARI (Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais), do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - "A produção científica nacional 2004 – 2008", mostram que as Ciências do Espaço são a área científica nacional mais competitiva.

No estudo vê-se que entre 2004 e 2008 a produção científica nacional aumentou 68%. Hoje são publicados anualmente mais de 626 artigos por cada milhão de habitantes, o que corresponde a 72% da média da Europa a 27. Nota-se também uma melhoria e um aumento de competitividade em quase todos os domínios: Ciências Sociais, Medicina e Saúde, Ciência Naturais, Ciências Exactas, Engenharia.

Existem 4 grandes áreas onde o número médio de citações é superior à média mundial da área (factor de impacto relativo superior a 1): Ciências do Espaço (2,05), Física (1,17), Medicina Clínica (1,15) e Ciências Agrícolas (1,15).

No caso das Ciências do Espaço, que no ISI inclui todas as revistas de "Astronomy & Astrophysics", em média cada artigo é citado 14,66 vezes, o que corresponde a 2,05 vezes a média mundial de citações por artigo na área. A evolução temporal mostra um claro aumento do factor de impacto relativo para os artigos cientificos de Portugal.

Para a Astronomia e Astrofísica (classificação do ISI), por década, foram publicados em Portugal; 70s=6, 80s=51, 90s=289 artigos em revistas internacionais com arbitragem cientifica. Na década de 2000 a 2009 o número total foi de 1350 artigos. Foi ainda atingido um factor de impacto médio (número de citações por artigo) de 19.50. Estes índices confirmam claramente que foi atingido um nível muito elevado de qualidade, competitividade e de internacionalização. De crucial importância para estes resultados foi a adesão de Portugal à Agência Espacial Europeia (ESA) e ao Observatório Europeu do Sul (ESO), em 2000 e 2001 respectivamente, na sequência de um período de preparação/pré-adesão na década de 90.

O Centro de Astrofísica da Universidade do Porto é a maior instituição nacional de investigação em Astronomia e como tal contribui significativamente para estes resultados. No final do ano de 2009 a equipa tinha 28 investigadores (correspondendo a 18,6 investigadores a tempo inteiro) que publicaram 58 artigos em revistas científicas internacionais, tendo acumulado mais de 2300 citações nesse ano (média de 22.49 citações por artigo).

Mais informações:
"A produção científica nacional 2004 – 2008"

1. Gráfico do impacto relativo da produção científica nacional, por área de investigação (GPEARI / MCTES) 2. Gráfico do impacto relativo português na área Space Sciences. (GPEARI / MCTES)