Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

From stellar to planetary composition: Galactic chemical evolution of Mg/Si mineralogical ratio

V. Zh. Adibekyan, N. C. Santos, P. Figueira, C. Dorn, S. G. Sousa, E. Delgado Mena, G. Israelian, A. A. Hakobyan, C. Mordasini

Resumo
Aims. The main goal of this work is to study element ratios that are important for the formation of planets of different masses.
Methods.
We study potential correlations between the existence of planetary companions and the relative elemental abundances of their host stars. We use a large sample of FGK-type dwarf stars for which precise Mg, Si, and Fe abundances have been derived using HARPS high-resolution and high-quality data.
Results.
A first analysis of the data suggests that low-mass planet host stars show higher [Mg/Si] ratios, while giant planet hosts present [Mg/Si] that is lower than field stars. However, we found that the [Mg/Si] ratio significantly depends on metallicity through Galactic chemical evolution. After removing the Galactic evolution trend only the difference in the [Mg/Si] elemental ratio between low-mass planet hosts and non-hosts was present in a significant way. These results suggest that low-mass planets are more prevalent around stars with high [Mg/Si].
Conclusions.
Our results demonstrate the importance of Galactic chemical evolution and indicate that it may play an important role in the planetary internal structure and composition. The results also show that abundance ratios may be a very relevant issue for our understanding of planet formation and evolution.

Palavras chave
planetary systems, techniques: spectroscopic, stars: abundances, planets and satellites: composition, Galaxy: abundances

Astronomy and Astrophysics
Volume 581, Página L2
setembro 2015

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA