Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Submillimetre polarimetric observations of S140 and GL 2591: investigating the role of viewing angle on observed polarization position angles.

N. R. Minchin, V. H. R. Bonifácio, A. G. Murray

Resumo
We have measured the 800μm polarization at three positions towards S140 and at the flux peak towards GL 2591. For both sources the implied magnetic field direction is neither parallel nor perpendicular to the outflow axis, implying an "in-between" situation. A review of published submillimetre polarimetric observations of outflow sources implies this scenario is common. Whilst beamsize effects are not thought to be critical, comparison of these observations with the results from a recent theoretical model (Bonifacio & Emerson 1995, ASP Conf. Ser., 97, 363) imply that the "in-between" situations may actually be due to the effect of viewing angle on the observed polarization position angle. If the local magnetic field is uniform and perpendicular to the outflow axis the observed position angle of polarization for dichroic emission of aligned grains is highly dependent on the viewing angle. The surprising agreement between mid-infrared and submillimetre emissive polarization position angles for W3-IRS5, NGC 7538-IRS1 and OMC1-IRc2, and their non-orthogonality to the mid-IR absorptive polarization position angles, has implications for the magnetic field configuration around these outflow sources. In particular, an hour-glass magnetic field geometry may be applicable.

Astronomy and Astrophysics
Volume 315, Página L5
novembro 1996

>> PDF>> ADS

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA