Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

The origin of jets from young stars: Steady state disk wind models confronted to observations

C. Dougados, S. Cabrit, J. Ferreira, N. Pesenti, P. J. V. Garcia, D. O'Brien

Resumo
We discuss in this contribution constraints on the origin of mass-loss from young stars brought by recent observations at high angular resolution (0.1″= 14 AU) of the inner regions of winds from T Tauri stars. Jet widths and collimation scales, the large extent of the velocity profile as well as the detection of rotation signatures agree with predictions from extended (Re ≥ 1AU) magneto-centrifugal disk wind ejection models. Detected poloidal and toroidal velocities imply large ejection efficiencies (ξ ≅ 0.05, λ ≅ 10), suggesting that thermal gradients (originating in an accretion heated disk corona for example) play an important role in accelerating the flow.

Astrophysics and Space Science
Volume 293, Página 45
setembro 2004

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA