Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Probing tiny convective cores with the acoustic modes of lowest degree

M. S. Cunha, I. M. Brandão

Resumo
Solar-like oscillations are expected to be excited in stars of up to about 1.6 solar masses. Most of these stars will have convective cores during their main-sequence evolution. At the edges of these convective cores, there is a rapid variation in the sound speed, which influences the frequencies of acoustic oscillations. In this paper we build on earlier work to investigate the impact that these rapid structural variations have on different p-mode frequency combinations, involving modes of low degree. In particular, we adopt a different expression to describe the sound speed variation at the edge of the core, which we show more closely reproduces the profiles derived from the equilibrium models. We analyse the impact of this change on the frequency perturbation derived for radial modes. Moreover, we consider three different small frequency separations involving modes of degree l = 0, 1, 2, 3, l = 0, 1, and l = 0, 2, and show that they are all significantly affected by the sharp sound speed variation at the edge of the core. In particular, we confirm that the frequency derivative of the diagnostic tool that combines modes of degree up to 3 can potentially be used to infer the amplitude of the relative sound speed variation directly at the edge of the core. We show that at high frequencies the other two diagnostic tools can be up to a few µHz smaller than what would be expected in the absence of the rapid structural variation at the edge of the core. Also, we show that the absolute values of their frequency derivatives are significantly increased, in a manner that strongly depends on stellar age.

Palavras chave
asteroseismology – stars: interiors – stars: evolution – stars: solar-type – stars: oscillations

Astronomy and Astrophysics
Volume 529, Página A10_1
maio 2011

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA