Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Core properties of α Cen A using asteroseismology

P. de Meulenaer, F. Carrier, A. Miglio, T. R. Bedding, T. L. Campante, P. Eggenberger, H. Kjeldsen, J. Montalbán

Resumo
Context. A set of long and nearly continuous observations of a Centauri A should allow us to derive an accurate set of asteroseismic constraints to compare to models, and make inferences on the internal structure of our closest stellar neighbour.
Aims. We intend to improve the knowledge of the interior of α Centauri A by determining the nature of its core.
Methods. We combined the radial velocity time series obtained in May 2001 with three spectrographs in Chile and Australia: CORALIE, UVES, and UCLES. The resulting combined time series has a length of 12.45 days and contains over 10,000 data points and allows to greatly reduce the daily alias peaks in the power spectral window.
Results. We detected 44 frequencies that are in good overall agreement with previous studies, and found that 14 of these show possible rotational splittings. New values for the large (Δν) and small separations (δν02, δν13) have been derived.
Conclusions. A comparison with stellar models indicates that the asteroseismic constraints determined in this study (namely r10 and δν13) allows us to set an upper limit to the amount of convective-core overshooting needed to model stars of mass and metallicity similar to those of α Cen A.

Palavras chave
stars: individual: α Cen A – stars: oscillations – stars: variables: general – stars: interiors

Astronomy and Astrophysics
Volume 523, Página A54_1
novembro 2010

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA