Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Unveiling the Launching Region of YSO jets with AMBER

F. Bacciotti, L. Testi, A. Marconi, P. J. V. Garcia, T. Ray, J. Eislöffel, C. Dougados

Resumo
The interplay between accretion and ejection in the environment of young stellar objects (YSOs) is believed to be a crucial element in the star formation process. Since most of the properties of the models are set up in the first few AUs from the source (below the so-called Alfvèn surface), to validate and constrain the models observationally we need very high angular resolution. With HST (resolution ~ 0.1", i.e. about 14 AU in Taurus) we have been able to access the external border of the acceleration region, for jets in the Taurus-Auriga cloud. Here we see an onion-like kinematic structure in the first 200 AU of the flow, and indications for rotation around the symmetry axis for the resolved low/moderate velocity component. We have now planned observations with AMBER on the VLTI to investigate at 1 mas resolution (in J) the core of the central engine, down to 0.1 AU from the source. Here we describe a joint project by several Institutes in the AMBER consortium dedicated to the study of the morphology and detailed kinematics of a few selected targets. On one hand we will use the large UV coverage of the ATs to explore at medium spectral resolution the structure of the flow. On the other hand the large collection area of the UTs combined with the high resolution mode (R=10000) of AMBER will allow us to search for interesting kinematic features, among which signatures of rotation around the axis, that would constitute an important validation of the proposed models for the jet launching.

Astrophysics and Space Science
Volume 286, Página 157
agosto 2003

>> PDF>> ADS

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA