Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Constraining β(z) and Ω0m from redshift-space distortions in z~ 3 galaxy surveys

J. da Ângela, P. J. Outram, T. Shanks

Resumo
We use a sample of 813 Lyman-break galaxies (LBGs) with 2.6 < z < 3.4 to perform a detailed analysis of the redshift-space (z-space)distortions in their clustering pattern, and from that derive confidencelevels in the [Ω0m, β(z= 3)] plane. We model the z-space distortions in the shape of the correlation function measured in orthogonal directions, ξ(σ, π). This modelling requires an accurate description of the real-space correlation function to be given as an input. From the projection of ξ(σ, π) in the angular direction, wp (σ), we derive the best-fitting amplitude and slope for the LBG real-space correlation function: r0= 4.48+0.17-0.18h-1 Mpc and = 1.76+0.08-0.09[ξ(r) = (r/r0)]. A comparison between the shape of ξ(s) and wp (σ) suggests that ξ(r) deviates from a simple power-law model, with a break at ~9 h-1 Mpc. This model is consistent with the observed projected correlation function. However, due to the limited size of the fields used, the wp(σ) results are limited to σ<~ 10 h-1 Mpc. Assuming this double-power-law model, and by analysing the shape distortions in ξ(σ, π), we find the following constraints: β(z= 3) = 0.15+0.20-0.15, Ω0m= 0.35+0.65-0.22. Combining these results with orthogonal constraints from linear evolution of density perturbations, we find that β(z= 3) = 0.25+0.05-0.06, Ω0m= 0.55+0.45-0.16.

Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
Volume 361, Página 879
agosto 2005

>> PDF>> ADS

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA