Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Spitzer observations of GJ 3470 b: A very low-density neptune-size planet orbiting a metal-rich m dwarf

B.-O. Demory, G. Torres, V. Neves, L. Rogers, M. Gillon, E. Horch, P. Sullivan, X. Bonfils, X. Delfosse, T. Forveille, C. Lovis, M. Mayor, N. C. Santos, S. Seager, B. Smalley, S. Udry

Resumo
We present Spitzer/IRAC 4.5µm transit photometry of GJ 3470 b, a Neptune-size planet orbiting an M1.5 dwarf star with a 3.3 day period recently discovered in the course of the HARPS M-dwarf survey. We refine the stellar parameters by employing purely empirical mass–luminosity and surface brightness relations constrained by our updated value for the mean stellar density, and additional information from new near-infrared spectroscopic observations.We derive a stellar mass of M* = 0.539+0.047-0.043 M and a radius of R* = 0.568+0.037-0.031 R. We determine the host star of GJ 3470 b to bemetal-rich, with ametallicity of [Fe/H] = +0.20±0.10 and an effective temperature of Teff = 3600±100 K. The revised stellar parameters yield a planetary radius Rp = 4.83+0.22-0.21 R that is 13% larger than the value previously reported in the literature. We find a planetary mass Mp = 13.9+1.5-1.4 M that translates to a very low planetary density, ρp = 0.72+0.13-0.12 g cm-3, which is 33% smaller than the original value. With a mean density half of that of GJ 436 b, GJ 3470 b is an example of a very low-density low-mass planet, similar to Kepler-11 d, Kepler-11 e, and Kepler-18 c, but orbiting a much brighter nearby star that is more conducive to follow-up studies.

Palavras chave
planetary systems – stars: individual (GJ 3470) – techniques: photometric – techniques: spectroscopic

The Astrophysical Journal
Volume 768, Página 154_1
maio 2013

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA