Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Sounding stellar cycles with Kepler - II. Ground-based observations

C. Karoff, T. S. Metcalfe, W. J. Chaplin, S. Frandsen, F. Grundahl, H. Kjeldsen, J. Christensen-Dalsgaard, M. B. Nielsen, S. Frimann, A. O. Thygesen, T. Arentoft, T. M. Amby, S. G. Sousa, D. L. Buzasi

Resumo
We have monitored 20 Sun-like stars in the Kepler field-of-view for excess flux with the Fibre-fed Echelle Spectrograph on the Nordic Optical Telescope since the launch of Kepler spacecraft in 2009. These 20 stars were selected based on their asteroseismic properties to sample the parameter space (effective temperature, surface gravity, activity level, etc.) around the Sun. Though the ultimate goal is to improve stellar dynamo models, we focus the present paper on the combination of space-based and ground-based observations that can be used to test the age-rotation-activity relations. In this paper we describe the considerations behind the selection of these 20 Sun-like stars and present an initial asteroseismic analysis, which includes stellar age estimates. We also describe the observations from the Nordic Optical Telescope and present mean values of measured excess fluxes. These measurements are combined with estimates of the rotation periods obtained from a simple analysis of the modulation in photometric observations from Kepler caused by starspots, and asteroseismic determinations of stellar ages, to test relations between age, rotation and activity.

Palavras chave
Sun: activity - Sun: helioseismology - stars: activity - stars: oscillations

Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
Volume 433, Página 3227
agosto 2013

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA