Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Spectroscopic survey of Kepler stars.
I. HERMES/Mercator observations of A- and F-type stars

E. Niemczura, S. J. Murphy, B. Smalley, K. Uytterhoeven, A. Pigulski, H. Lehmann, D. M. Bowman, G. Catanzaro, E. van Aarle, S. Bloemen, M. Briquet, P. De Cat, D. Drobek, L. Eyer, J. F. Gameiro, N. Gorlova, K. Kamiński, P. Lampens, P. Marcos-Arenal, P. I. Pápics, B. Vandenbussche, H. Van Winckel, M. Stȩślicki, M. Fagas

Resumo
The Kepler space mission provided near-continuous and high-precision photometry of about 207 000 stars, which can be used for asteroseismology. However, for successful seismic modeling it is equally important to have accurate stellar physical parameters. Therefore, supplementary ground-based data are needed. We report the results of the analysis of high-resolution spectroscopic data of A- and F-type stars from the Kepler field, which were obtained with the HERMES spectrograph on the Mercator telescope. We determined spectral types, atmospheric parameters and chemical abundances for a sample of 117 stars. Hydrogen Balmer, Fe i, and Fe ii lines were used to derive effective temperatures, surface gravities, and microturbulent velocities. We determined chemical abundances and projected rotational velocities using a spectrum synthesis technique. The atmospheric parameters obtained were compared with those from the Kepler Input Catalogue (KIC), confirming that the KIC effective temperatures are underestimated for A stars. Effective temperatures calculated by spectral energy distribution fitting are in good agreement with those determined from the spectral line analysis. The analysed sample comprises stars with approximately solar chemical abundances, as well as chemically peculiar stars of the Am, Ap, and λ Boo types. The distribution of the projected rotational velocity, vsin i, is typical for A and F stars and ranges from 8 to about 280 km s−1, with a mean of 134 km s−1.

Palavras chave
stars: abundances, stars: chemically peculiar, stars: general, stars: rotation

Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
Volume 450, Página 2764
julho 2015

>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA