Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto
Asteroseismology of Exoplanet-Host Stars in the TESS Era

Tiago J. L. C. E. Campante
University of Birmingham, UK

Resumo
New insights on stellar evolution and stellar interiors physics are being made possible by asteroseismology, the study of stars by the observation of their natural, resonant oscillations. Throughout the duration of the Kepler mission, asteroseismology has also played an important role in the characterization of host stars and their planetary systems. Examples include the precise estimation of the fundamental properties of stellar hosts, the obliquity determination of planetary systems, or orbital eccentricity determination via asterodensity profiling. The Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) will perform a wide-field survey for planets that transit bright host stars. Its excellent photometric precision and long intervals of uninterrupted observations will also enable asteroseismology of solar-type stars and their evolved counterparts. Based on existing all-sky stellar and planetary synthetic populations, we investigate the asteroseismic yield of the mission, placing particular emphasis on the yield of exoplanet-host stars for which we expect to detect solar-like oscillations. This is done both for the cohort of target stars (observed at a 2-min cadence), which will mainly involve low-mass main-sequence hosts, as well as for the cohort of "full-frame image" stars (observed at a 30-min cadence). The latter cohort offers the exciting prospect of conducting asteroseismology on a significant number of evolved hosts. Also, the brightest solar-type hosts with asteroseismology will become some of the best characterized planetary systems known to date. Finally, we discuss the impact of the detected oscillations on the accuracy/precision of the derived properties of the host stars and their planetary systems.

6 abril 2016, 14:00

Centro de Astrofísica
Rua das Estrelas
4150-762 Porto

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA