Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube Siga-nos no Google+
Constraints to the magnetospheric properties of T Tauri stars

Fátima López Martínez
IA

Resumo

T~Tauri stars (TTS) are young and low-mass pre-main sequence stars. They have a surrounding disk as well as strong and complex magnetic fields. The disk is truncated near the corrotation radius due to its interaction with the stellar magnetic field. The material in the inner part of the disk is ionized by the stellar radiation and channelled through the magnetic field lines. The gas from the disk is accelerated to almost free-fall velocity before it reaches the stellar surface forming an accretion shock. The ultraviolet luminosities of TTS exceed by 1-2 orders of magnitude those observed in main sequence stars of the same spectral types. This excess is associated with the accretion process that transports material onto the stellar surface enhancing the flux radiated by magnetospheric/atmospheric tracers. The energy produced in the atmosphere and magnetosphere is released mainly in the ultraviolet range.

The study of TTS provides some important clues about young stars, planetary system formation and their early evolution. The spectra of T~Tauri stars show peculiar features, mainly in the ultraviolet range. Most of the TTS emission is produced in a region of the magnetosphere with temperatures of about 10000~K. In this talk I will speak about the work developed in my thesis, in which I analysed ultraviolet spectral lines formed in regions with those temperatures, (C~II], Fe~II], Si~II] and Mg~II). The study of these lines allowed me to determine some constraints to the magnetosphere properties in TTS.

22 junho 2016, 13:30

Centro de Astrofísica
Rua das Estrelas
4150-762 Porto

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA